USO EXCESSIVO DE TECNOLOGIA E SAÚDE PÚBLICA

  • Adamiane Silva Moraes Schwaickardt Universidade Estadual de Goiás
  • Amanda dos Reis Correia UEG
  • Danielle Coelho da Cruz Universidade Estadual de Goiás
  • Lanna Flávia Elias de Sousa Universidade Estadual de Goiás
  • Lorena Lisita Inácio Teodoro Universidade Estadual de Goiás
Palavras-chave: Tecnologia; Saúde Pública; Dispositivos eletrônicos; Educação; Uso do micro-ondas

Resumo

Trata-se de uma revisão narrativa, que aborda as conseqüências do uso excessivo da tecnologia e questões de saúde pública. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica nas bases de dados SciELO (Scientifc Eletronic Library Online), LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde), NCBI (National Center ofBiotechnologyInformation), Google Acadêmico e portal de periódicos CAPES. Estudos afirmam que o uso excessivo de tecnologias podem levar à comportamentos anti-sociais, agressividade e instabilidade emocional, fazendo com que ocorra uma diminuição nas interações sociais, receio pelo contato físico e dificuldade em criar vínculos sociais, com a preferência pelo mundo virtual ao real. É necessário estabelecer regras e um tempo definido para o uso da tecnologia tanto por crianças, jovens ou adultos, a fim de evitar a perda de produtividade em atividades diárias, ansiedade, vício, problemas posturais e musculoesqueléticos, diminuição da qualidade do sono, uma série de novas fobias por não estar conectado.

 

Publicado
2021-05-14
Como Citar
Schwaickardt, A., Correia, A., Cruz, D., Sousa, L. F., & Teodoro, L. (2021). USO EXCESSIVO DE TECNOLOGIA E SAÚDE PÚBLICA. Movimenta (ISSN 1984-4298), 14(1), 139-142. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/movimenta/article/view/9641
Seção
Artigo de Revisão