PERFIL DOS ÓBITOS NAS INTERNAÇÕES POR DOENÇA FALCIFORME, BRASIL, 2006 a 2017

Palavras-chave: Anemia Falciforme, Internação Hospitalar, Mortes, , Epidemiologia

Resumo

Introdução: A Doença Falciforme é considerada um problema de Saúde Pública no Brasil, porque apesar dos avanços das políticas de atenção à saúde, persiste relacionada a elevada prevalência de complicações, de internações e baixa expectativa de vida. Objetivo: Descrever o perfil dos óbitos nas internações de indivíduos com Doença Falciforme no Brasil. Métodos: Estudo descritivo e exploratório, com dados secundários das autorizações de internações reduzidas (AIH) do Sistema de Informações Hospitalares, Sistema Único de Saúde (SIH-SUS). As variáveis analisadas foram: sexo, faixa etária, raça/cor, região, diagnóstico do óbito (Classificação Internacional das Doenças, CID-10), unidades da federação e tempo internação. Foram analisadas as frequências absolutas e relativas das variáveis para a totalidade de óbitos por transtornos falciformes registrados, por triênios, de 2006 a 2017. Resultados: Os óbitos aumentaram no período estudado, com pequena maior proporção entre homens, de 31 a 59 anos, pardos e negros, concentrando-se nas regiões Sudeste e Nordeste. As causas dos óbitos foram registradas como os próprios transtornos falciformes, além de acometimentos dos sistemas pulmonar e cardiovascular, com um tempo de internação de até 7 dias. Conclusão: Os óbitos entre adultos jovens, negros e pardos, relacionados aos transtornos falciformes indicam que a política de saúde e programas avançaram na identificação e reconhecimento do problema, mas ainda não conseguem prevenir as complicações e mortalidade precoce relacionadas ao adoecimento.

 

Publicado
2021-09-16
Como Citar
Teixeira, E., & Cordeiro de Almeida, M. (2021). PERFIL DOS ÓBITOS NAS INTERNAÇÕES POR DOENÇA FALCIFORME, BRASIL, 2006 a 2017. Movimenta (ISSN 1984-4298), 14(2), 217-228. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/movimenta/article/view/11072
Seção
Artigo Original