Abordagens Geográficas do Cerrado: paisagens e diversidade

Geographic Approaches of the Cerrado: landscapes and diversity

  • Horieste Gomes Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Palavras-chave: Cerrado. Expropriação. Sustentabilidade.

Resumo

Na abordagem específica do Cerrado, a partir da interdependência Homem-Natureza, o texto procura demonstrar que a compreensão da natureza e utilização do espaço do Cerrado, inicialmente, passa pelo conhecimento da literatura geral e  específica produzida, pesquisada e elaborada, o cerrado visto como sistema biogeográfico e na especificidade e singularidade de seus subsistemas. De posse dessa importantíssima referência científica, levando-se em conta as políticas públicas levadas à prática pelo governo central, a exemplo dos Programas Polocentro e Prodecer, direcionados as médias e grandes empresas, e, principalmente, a ingerência do capital financeiro internacional representado por empresas multinacionais quanto ao uso, apropriação e expropriação do Cerrado. Pelo lado oposto, a luta dos camponeses sem terra que foram separados e excluídos de suas terras, e que batalham por uma reforma agrária efetiva, sem que haja o monopólio da terra; assim como a dos trabalhadores assalariados e sub-assalariados dos estabelecimentos agroindustriais e das empresas terceirizadas, que lutam contra à exploração de sua força de trabalho pela chamada “modernização”capitalista, fica deveras fácil trabalhar a relação Homem-Natureza e vice-versa, vista como unidade de contrários, portanto, que se complementam e se excluem, imprescindível ao uso e preservação sustentável do cerrado. O texto termina com o grito de protesto contra o modelo econômico de desenvolvimento capitalista, no contexto da economia globalizada, principal responsável pela degradação e destruição do meio ambiente do bioma cerrado, seguido de propostas de uso  sustentável.

Resumen: En el enfoque específico de la sabana, a partir de la interdependencia Hombre-Naturaleza, el texto busca demostrar que la comprensión de la naturaleza y el uso del espacio de la sabana, inicialmente, pasa por el conocimiento de la literatura general y específica producida, investigada y elaborada, la sabana vista como un sistema biogeográfico y en la especificidad y singularidad de sus subsistemas. Con esta importantísima referencia científica, teniendo en cuenta las políticas públicas implementadas por el gobierno central, como los Programas Polocentro y Prodecer, dirigidas a las medianas y grandes empresas, y especialmente la interferencia del capital financiero internacional representado por las empresas multinacionales en el uso, apropiación y expropiación de la sabana. Por otro lado, la lucha de los campesinos sin tierra que han sido separados y excluidos de sus tierras, y que luchan por una reforma agraria eficaz, sin monopolio de la tierra; Al igual que la de los asalariados y subasalariados de los establecimientos agroindustriales y de las empresas subcontratadas, que luchan contra la explotación de su mano de obra por la llamada "modernización" capitalista, es muy fácil trabajar la relación Humano-Naturaleza y viceversa, vista como una unidad de opuestos, por lo tanto, que se complementan y excluyen mutuamente, indispensable para el uso sostenible y la preservación del cerrado. El texto termina con un grito de protesta contra el modelo económico de desarrollo capitalista, en el contexto de la economía globalizada, que es la principal responsable de la degradación y destrucción del medio ambiente del bioma cerrado, seguido de propuestas de uso sostenible.

Palabras-clave: Bioma Cerrado. Expropiación. Sostenibilidad.

 

Abstract: In the specific approach of the Cerrado, from the interdependence Man-Nature, the text intends to demonstrate that the understanding of the nature and use of the Cerrado space, initially, passes through the knowledge of the general and specific literature produced, researched and elaborated, the Cerrado seen as a biogeographic system and in the specificity and uniqueness of its subsystems. With this very important scientific reference, taking into account the public policies implemented by the central government, such as the Polocentro and Prodecer programs, aimed at medium and large companies, and especially the interference of international financial capital represented by multinational companies in the use, appropriation and expropriation of the Cerrado. On the other hand, the struggle of the landless peasants who have been separated and excluded from their lands, and who are struggling for an effective agrarian reform, without a monopoly of the land; as well as that of the salaried and sub-salaried workers of the agro-industrial establishments and outsourced companies, who fight against the exploitation of their labor force for the so-called capitalist "modernization", it is very easy to work the Human-Nature relationship and vice versa, seen as a unity of opposites, therefore, that complement each other and exclude each other, indispensable to the sustainable use and preservation of the Cerrado. The text ends with a call of protest against the economic model of capitalist development, in the context of the globalized economy, which is mainly responsible for the degradation and destruction of the environment of the cerrado biome, followed by proposals for sustainable use.

Keywords: Cerrado Biome. Expropriation. Sustentability.

Biografia do Autor

Horieste Gomes, Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Graduado em Geografia e História pela Universidade Católica de Goiás. Professor aposentado da Universidade Católica de Goiás. Professor Emérito da Universidade Federal de Goiás. Autor de diversos livros entre eles: A Produção do Espaço Geográfico no Capitalismo, A Produção Geográfica em Goiás e Cela 14: militância, prisão e liberdade.

Referências

EVA DE FARIA, Magda. Agricultura moderna, cerrados e meio ambiente. In: DUARTE, L. M. G; BRAGA, M. L. de S. (Org). Tristes cerrados – sociedade e biodiversidade. Brasília: Paralelo 15, 1998.
FARIA, M. O de. O Mundo Globalizado e a Questão Ambiental. In: ZYSMAN NEIMAN (Org.). O Meio Ambiente: Educação e Ecoturismo. Brasília: Ed. Manole, 2002.
GOMES, H. Cerrado: preservação e desenvolvimento. In: 1ª Conferência Estadual do Meio-Ambiente - SEMARH. Goiânia. 1995.
GOMES, H. Em Busca da Interdependência Sociedade/Natureza: Caminhos da Dialética. In: ESTUDOS, Goiânia: UCG, v. 26, n.3, jul/set. 1999.
NASCIMENTO, M. A L. do. O meio físico do cerrado: revisitando a produção teórica pioneira. In: ALMEIDA, M. G. de (Org.). Abordagens geográficas de Goiás: o natural e o social na contemporaneidade. Goiânia: IESA, 2002.
SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1998.
SANTOS, Milton. A Grande Crise Já Se Instalou. In: BENJAMIN, César, Elias, L. A. (Org). Brasil: crise e destino. São Paulo: Expressão Popular, 2000.
SILVA, da. T. C. Zoneamento Geoambiental dos Cerrados. In: Contribuições para um novo modelo de desenvolvimento. Goiânia, UFG, Centro de Estudos Regionais – CER. 1997.
SILVA, M. A. D. da; ANACLETO, T. C. Natureza viva cerrado – caracterização e conservação. Goiânia. UCG. 2006.
SORJ, B. Estado e classes sociais na agricultura brasileira [on-line]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008.
RIGONATO, V. D. A dimensão Sociocultural das Paisagens do Cerrado Goiano: O Distrito de Vila Borba. In, ALMEIDA, M. G.de (Org.). Tristes Cerrados. Goiânia: Vieira, 2005.
TEIXEIRA NETO, A.; GOMES, H. Diagnóstico sócio-econômico do Sudoeste Goiano. Jataí: Prefeitura Municipal de Jataí/Fundação Educacional de Jataí, 1995.
VALENTE, C. R. Caracterização geral e composição florística do cerrado. In: GUIMARÃES, L. D.; SILVA, M. A. D.; ANACLETO, T. C. Natureza viva do cerrado: caracterização e conservação. Goiânia: EdUCG, 2006.
Publicado
2020-09-06
Como Citar
Gomes, H. (2020). Abordagens Geográficas do Cerrado: paisagens e diversidade. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 9(2), e922010. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/10890