Mineração e fratura territorial do Cerrado em Goiás

Mining and territorial fracture of the Cerrado in Goiás

Palavras-chave: Cerrado. Goiás. Território. Megamineração.

Resumo

Goiás é um dos principais territórios minerados no Brasil. Por isso, a megamineração e o modelo mineral territorializados nesse Estado requerem interpretações críticas elaboradas pela pesquisa geográfica. Esse é o propósito do presente artigo ao analisar os grandes projetos de mineração e ao demonstrar o modo pelo qual o extrativismo mineral fratura os territórios do Cerrado goiano. Evidencia-se que a atividade extrativa mineral é indissociável da formação econômica de Goiás e em quatro diferentes fases contribui para integrar o Cerrado às escalas da produção e do consumo capitalistas nacionais e internacionais. A metodologia conta com procedimentos de pesquisa qualitativa e quantitativa como revisão bibliográfica, levantamento e sistematização de dados estatísticos, pesquisa de campo e observação direta. Os resultados demonstram o processo histórico de especialização do Cerrado goiano como exportador de produtos primários. Diante disso, a mineração é, por um lado, um eixo central da pauta exportadora goiana; e, por outro, um setor cujo modelo é inseparável de conflitos ambientais, exaustão de paisagens e da saúde de trabalhadores. Espera que a pesquisa possa contribuir com os debates sobre o modelo mineral brasileiro. Logo, que seja usada nos espaços de formação promovidos por movimentos populares e sindicais na luta contra os extrativismos predatórios. 

Resumen: Goiás es uno de los principales territorios mineros de Brasil. Por ello, la mega minería y el modelo mineralizado territorializado en ese estado requieren interpretaciones críticas elaboradas a partir de investigaciones geográficas. Este es el propósito de este artículo al analizar los grandes proyectos mineros y demostrar la forma en que la extracción de minerales fractura los territorios del Cerrado de Goiás. Es evidente que la actividad minera es inseparable de la formación económica de Goiás y en cuatro fases distintas contribuyó a integrar el Cerrado en las escalas de producción y consumo capitalista nacional e internacional. La metodología cuenta con procedimientos de investigación cualitativos y cuantitativos como revisión bibliográfica, levantamiento y sistematización de datos estadísticos, investigación de campo y observación directa. Los resultados demuestran el histórico proceso de especialización del Cerrado de Goiás como exportador de productos primarios. Ante esto, la minería es, por un lado, un eje central de la agenda exportadora en Goiás; y, por otro, un sector cuyo modelo es inseparable de los conflictos ambientales, el agotamiento de los paisajes y la salud de los trabajadores. Se espera que la investigación pueda contribuir a los debates sobre el modelo mineral brasileño. Por tanto, debe ser utilizado en espacios de formación impulsados por movimientos populares y sindicales en la lucha contra el extractivismo depredador.

Palabras clave: Cerrado. Goiás. Territorio. Mega minería.

Abstract: Goiás is one of the main mining territories in Brazil. For this reason, the mega mining and the mineral model territorialized in that State require critical interpretations elaborated by the geographical research. That is the purpose of this article by analyzing the major mining projects and demonstrating the way in which mineral extraction fractures the territories of the Cerrado of Goiás. It is evident that the mining activity is inseparable from the economic formation of Goiás and in four different phases contributed to integrate the Cerrado into the scales of national and international capitalist production and consumption. The methodology has qualitative and quantitative research procedures such as bibliographic review, survey and systematization of statistical data, field research and direct observation. The results demonstrate the historical process of specialization of the Cerrado of Goiás as an exporter of primary products. Therefore, mining is, on the one hand, a central axis of the exportation agenda in Goiás; and, on the other, a sector whose model is inseparable from environmental conflicts, exhaustion of landscapes and workers' health. It is expected, that the research can contribute to the debates on the Brazilian mineral model. Consequently, it should be used in training spaces promoted by popular and union movements in the fight against predatory extractivism.

Keywords: Cerrado. Goiás. Territory. Mega mining.

Biografia do Autor

Ricardo Junior de Assis Fernandes Gonçalves, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Professor dos cursos de Graduação (Unidade Iporá) e Pós-Graduação Stricto Sensu em Geografia (PPGEO – Campus Cora Coralina), da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Pesquisador dos Grupos de Pesquisa e Extensão Política, Economia, Mineração, Ambiente e Sociedade (PoEMAS) e Espaço, Sujeito e Existência. Membro Titular, Cadeira 37, do Instituto Cultural e Educacional Bernardo Élis para os Povos do Cerrado (ICEBE). 

Referências

ALONSO, Aleida. A. Extractivismo corporativista en México: minería en Guanajuato. Economía y Sociedad, Vol. 24, Nº 55, pp. 78-100, 2019.

AMARAL, Arthur P. Com o peito cheio de pó: uma etnografia sobre a negação do adoecimento de trabalhadores do amianto na cidade de Minaçu (GO). 271f. Tese (Doutorado em Antropologia), Universidade Federal de Goiás, Goiânia/GO, 2019.

ANM - Agência Nacional de Mineração. Maiores arrecadadores CFEM. 2020. Disponível em: . Acesso em: 20/05/2020.

ANM – Agência Nacional de Mineração. Sistema de Informações Geográficas da Mineração - SIGMINE. Disponível em: http://sigmine.dnpm.gov.br/>. Acesso em: 20/07/2020.

ANM - Agência Nacional de Mineração. Desempenho do setor mineral: Goiás e Distrito Federal. DNPM - 6° DS/GO, 2018.

BORGES, Júlio César P. Fazenda-roça goiana: matriz espacial do sertanejo e do território goiano. 213f. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Estudos Socioambientais, da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

CARVALHO, Wanderlino Teixeira de. Política Mineral Goiana (1960 – 1986). Dissertação (Mestrado em Geociências) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, 1988.

CHAVEIRO, Eguimar F. Por uma abordagem geográfica do Cerrado: a afirmação de um território, a negação do bioma – Cartas de luta. 316f. Tese (livre docência), Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, 2019.

CHAVEIRO, Eguimar F.; BARREIRA, Celene. Cunha. M. A. Cartografia de um pensamento de Cerrado. In: CASTILHO, Denis; PELÁ, Márcia. (Org.). Cerrados: perspectivas e olhares. Goiânia: Vieira, 2010. p.15-34.

CHAVEIRO, Eguimar F.; BORGES, Julio César P. Fazenda-roça goiana: matriz espacial do mundo sertanejo de Goiás. CAMPO-TERRITÓRIO: revista de geografia agrária, v. 10, n. 20, p. 440-467, jul., 2015.

COELHO, Tádzio P. Minério-dependência e alternativas em economias locais. Versos - Textos para Discussão PoEMAS, 1(3), 1-8, 2017.

DELGADO, Guilherme C. Especialização primária como limite ao desenvolvimento. Desenvolvimento em Debate, Rio de Janeiro, v.1, n.2, p.111-125, 2010.

ESTEVAM, Luis. O tempo da transformação: estrutura e dinâmica na formação econômica de Goiás. 2.ed. Goiânia/GO: Editora da UCG, 2004.

FREI, Vanito Viriato M. No país do mano Muça, eu sou carvão: implicações socioterritoriais dos megaprojectos de mineração nas comunidades locais da província de Nampula. 412 f. Tese (Doutorado), Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

GONÇALVES, Ricardo Junior de A. F. No horizonte, a exaustão: disputas pelo subsolo e efeitos socioespaciais dos grandes projetos de mineração em Goiás. 504f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Goiás, Programa de Pós-graduação em Geografia, 2016.

GONÇALVES, Ricardo Junior de A. F. Mineração em grande escala, disputas pelo subsolo e o espaço agrário fraturado em Goiás, Brasil. Revista de Geografia (Recife) V. 36, No. 2, 2019.

GONÇALVES, Ricardo Junior de A. F. Et.al. Neoextrativismo liberal-conservador: a Política Mineral e a Questão Agrária no Governo Temer. Revista OKARA: Geografia em debate, João Pessoa/Paraíba, v.12, n.2, p. 348-395, 2018.

GONÇALVES, Ricardo Junior de A. F. Et.al. No fundo da cova: deterioração do trabalho no setor extrativo mineral em Goiás, Brasil. Revista OKARA: Geografia em debate, João Pessoa, v. 14, n. 1, p. 196-212, 2020.

GONÇALVES, Ricardo Junior de A. F.; MILANEZ, Bruno. Extrativismo mineral, conflitos e resistências no sul global. Revista Sapiência: Sociedade, Saberes e Práticas Educacionais, Iporá/GO, V.8, N.2, p.06-33, 2019.

GROSSI, Yonne de S. Mina de Morro Velho: a extração do homem. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

GUDYNAS, Eduardo. Diez Tesis Urgentes sobre el Nuevo Extractivismo: contextos y demandas bajo el progressismo sudamericano actual. In: VÁRIOS AUTORES. Extractivismo, Política y Sociedad. Quito, CAAp y CLAES. 2009.

GUDYNAS, Eduardo. Extractivismos: ecología, economía y política de un modo de entender el desarrollo y la naturaleza. Cochabamba: CEDIB/CLAES, 2015.

HARVEY, David. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. Tradução de João Alexandre Peschanski. São Paulo, SP: Boitempo, 2011.

INOCÊNCIO, Maria E. O PRODECER e as tramas do poder na territorialização do capital no Cerrado. 279 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, 2010.

IMB – Instituto Mauro Borges. Goiás em dados 2017. Goiás: Goiânia, 2018.

INESC. Compensação Financeira pela Exploração dos Recursos Minerais (CFEM): o que é, de onde veio, para onde vai? – o caso de Canaã dos Carajás. Brasília/DF: Inesc, 2019.

IORO, Gustavo S.; MAGNO, Lucas. O território corporativo da mineração na Serra do Brigadeiro, Minas Gerais. Revista Sapiência: Sociedade, Saberes e Práticas Educacionais, Iporá/GO, V.8, N.2, p.34-59, 2019.

JAYME, Jarbas. Esboço histórico de Pirenópolis. Goiânia: UFG, 1971.

LIMA, A. Poesias. [1909]. Rio de Janeiro/RJ: ABL, 2008.

LIMA, Valdivino B. de. Os caminhos da urbanização/mineração em Goiás: o estudo de Catalão (1970 -2000). 2003, Dissertação (Mestrado em Geografia), Universidade Federal Uberlândia, Instituto de Geografia, Uberlândia, 2003.

MACEDO, Fábio. Imperialismo e produção do espaço urbano: a indústria do amianto e a construção da cidade de Minaçu-GO. Tese (Doutorado em Geografia Humana), Universidade de São Paulo, São Paulo/SP, 2013.

MDIC – Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Exportações e importações. 2018. Disponível em: . Acesso em: 15/07/2020.

MILANEZ, Bruno. Et. al. Minas não há mais: Avaliação dos aspectos econômicos e institucionais do desastre da Vale na bacia do rio Paraopeba. Versos - Textos para Discussão PoEMAS, 3(1), pp.1-114, 2019.

MILANEZ, Bruno. Et. al. Antes fosse mais leve a carga: avaliação dos aspectos econômicos, políticos e sociais do desastre da Samarco/Vale/BHP em Mariana (MG). PoEMAS (UFJF). Mimeo. 2015.

MILANEZ, Bruno.; SANTOS, Rodrigo. S. P. Neoextrativismo no Brasil? Uma análise da proposta do novo marco legal da mineração. Revista Pós Ciências Sociais, v. 10, p. 119-148, 2013.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. Macrozoneamento ecológico-econômico do Bioma Cerrado: diagnóstico do meio físico-biótico, socioeconômico e juridico-institucional, na escala de referência de 1:1.000.000. Brasília/DF, Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável, 2012. Volume 1.

MOREIRA, Ruy. Modelo industrial e meio ambiente no espaço brasileiro. GEOgraphia, Rio de Janeiro, Ano V, n.9, p. 7-28, 2003.

O POPULAR. Serra Verde anuncia obra de mina em Minaçu. 27 de mai./2020. Disponível em: . Acesso em: 29/05/2020.

PALACIN, Luiz. Goiás 1722-1822: estrutura e conjuntura numa capitania de Minas. 2.ed. Goiânia/GO: Oriente, 1976.

PERPETUA, Guilherme M. Pilhagem territorial, precarização do trabalho e degradação do sujeito que trabalha: a territorialização do capital arbóreo-celulósico no Brasil contemporâneo. 307f. Tese (Doutorado em Geografia) - Programa de Pós-graduação em Geografia, UNESP, Presidente Prudente, 2016.

PIRES, Mauro O. Programas agrícolas na ocupação do Cerrado. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 3, n.1-3, p. 111-131, 2000.

PÓVOA NETO, Helion. No caminho das pedras: itinerários na formação da mobilidade garimpeira em Goiás. 1998. 363 f. Tese (Doutorado em Geografia), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

SILVA, Lorranne Gomes da. Avá-Canoeiro, a resistência dos bravos no Cerrado do norte goiano: do Lugar ao Território – Goiânia. 146f. Dissertação (Mestrado em Geografia), Universidade Federal de Goiás, Goiânia/GO, 2010.

SILVEIRA, Maria L. Los territorios corporativos de la globalización. Geograficando, v.3, n.3, pp.13-26, 2008.
SOUZA, Marcelo Lopes de. Ambientes e territórios: uma introdução à ecologia política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

SVAMPA, Maristella. Las fronteras del neoextractivismo en América Latina. Cidade do México/México: CALAS, 2019.

TEIXEIRA GUERRA, Antônio.; TEIXEIRA GUERRA, Antônio José. Novo dicionário geológico-geomorfológico. 9.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

TEIXEIRA NETO, Antônio. O território goiano-tocantinense no contexto do território do Cerrado. In: GOMES, H. (Org.). Universo do Cerrado. Goiânia: Ed. da UCG, 2008. Vol.1. p.231-270.

TIBIRIÇA, Luciana G. Aspectos econômicos e sociais da mineração em Goiás, com ênfase na extração de areia. 133f. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia/GO, 2017.

TROCATE, Charles.; COELHO, Tádzio P. Quando vier o silêncio: o problema mineral brasileiro. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, Expressão Popular, 2019.146p.

WANDERLEY, Luiz Jardim. Repensando a noção de fronteira no contexto de reestruturação espacial da Amazônia no século XXI. Terra Livre, São Paulo, Ano 31, Vol.1, n 46 p.13-48, 2016.

WANDERLEY, Luiz Jardim. Do boom ao pós-boom das commodities: o comportamento do setor mineral no Brasil. Versos - Textos para Discussão PoEMAS, v. 1, n. 1, p. 1-7, 2017.

WISNIK, José M. Maquinação do mundo: Drummond e a mineração. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
Publicado
2020-09-07
Como Citar
Gonçalves, R. (2020). Mineração e fratura territorial do Cerrado em Goiás. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 9(2), e922018. Recuperado de https://www.revista.ueg.br/index.php/elisee/article/view/10852