Germinação de espécies de eucalipto sob estresse hídrico simulado

  • Gabriela Teodoro Rocha Universidade de Brasília
  • Angélica Daiane Lemos do Prado Universidade Federal de Goiás, UFG, Campus Samambaia, Faculdade de Agronomia, Goiânia, GO, Brasil
  • Bruno Silva Melo Universidade Estadual de Goiás, Campus Ipameri
  • Fabricio Rodrigues Universidade Estadual de Goiás, Campus Ipameri

Resumo

Os estudos relacionados com a germinação de sementes submetidas a estresses artificiais têm importância essencial para a ecofisiologia e constituem-se em mecanismos que possibilitam a avaliação dos limites de tolerância e adaptação destas espécies às condições de estresses naturais. Objetivou-se com a realização deste trabalho avaliar por meio de simulação com manitol, os diferentes níveis de tolerância ao estresse hídrico em plântulas de quatro espécie de Eucaliptus spp. O delineamento experimental adotado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial (5 x 4), com quatro repetições. As variáveis fora porcentagem de germinação (GERM), índice de velocidade de germinação (IVG) e o tempo médio de germinação (TMG). As quatro espécies de eucaliptos testadas não responderam de forma eficaz quando submetidas às concentrações osmóticas de manitol, ou seja, estas possuem alta sensibilidade ao serem submetidas a estresse hídrico. Porém, a espécie E. camaldulensis foi a única que obteve um limite de tolerância maior e, neste caso, suportou até -0,4 MPa.

 

Publicado
2020-02-13
Seção
Artigos