Entre as representações e os espaços vividos pelos estudantes geraizeiros no Baixo Vale do Rio Guará- São Desidério, BA: a educação geografica no/do campo

  • Karla Barbosa de Almeida Universidade Federal do Oeste da Bahia-UFOB / Centro das Humanidades-UFOB/CEHU
  • Valney Dias Rigonato Universidade Federal do Oeste da Bahia-UFOB / Centro das Humanidades-UFOB/CEHU
Palavras-chave: (Não) representações. Cerrados. educação geográfica no/do campo.

Resumo

Esse artigo busca analisar o processo de ensino e aprendizagem da Educação no/do Campo em São Desidério, BA com base nas representações e não representações socioculturais dos jovens estudantes geraizeiros do baixo vale do rio Guará, especificamente da Escola Municipal Ovídeo Francelino de Souza. Para isso buscou-se analisar as não representações, os discursos, os saberes, os fazeres e as práticas socioculturais nos espaços vividos e também as representações: mapas mentais. A metodologia baseou-se nos princípios da geografia humana com apoio da análise do discurso, da pesquisa-ação-participante e em trabalhos de campo (estágio de vivência) no espaço escolar e nos espaços vividos pelos geraizeiros. Os resultados apontam para as limitações das representações socioculturais diante das territorialidades do capital interligado com o agronegócio as quais os jovens estudantes geraizeiros enfrentam em seus lugares e espaços vividos. Assim, ao combinarmos as representações com as não representações demonstraram a possibilidade de traduzir, analisar e interpretar os conflitos, as resistências desse grupo social diante das territorialidades do agronegócio nos Cerrados baianos.  Além disso, os resultados aqui alcançados podem contribuir  uma educação geográfica do/no campo mais contextualizada com os lugares e espaços vividos pelos geraizeiros e outros grupos subalternizados dos Cerrados.

Publicado
2017-12-31
Seção
Artigos