Ceres: a produção do território goiano a partir da CANG

  • Wagner Abadio de Freitas Mestrando em Território e Expressões Culturais no Cerrado - UEG Instituto Federal Goiano – Campus Ceres
  • Marcelo de Mello Professor do Mestrado em Território e Expressões Culturais Universidade Estadual de Goiás / Anápolis-GO
Palavras-chave: Território, CANG, Plano SALTE, Emancipação.

Resumo

O processo de incorporação territorial à dinâmica capitalista tem como agente articulador e idealizador o Estado Nacional. Por meio dele foram criadas as Colônias Agrícolas Nacionais e inseridos os objetos técnicos que contribuíram para a ocupação do interior do país. O Governo Vargas representou parte deste movimento que foi seguido por governos subsequentes, de acordo com os interesses vigentes. Nesse processo, o Estado de Goiás é contemplado pela Colônia Agrícola Nacional de Goiás, além de outras ações territorializadas. O presente trabalho visa analisar produção do território goiano, tendo em vista as relações de complementariedade entre a escala federal, estadual e municipal, a partir dos desdobramentos do Plano SALTE (Saúde, Alimentação, Transporte e Energia), na região onde está inserida a CANG; bem como relacionar a Colônia Agrícola e o processo de emancipação do município de Ceres.

Seção
Artigos