AS CONTRIBUIÇÕES DA ESCOLA INDÍGENA MAUREHI PARA O FORTALECIMENTO SOCIOCULTURAL DO POVO KARAJÁ DE ARUANÃ/GOIÁS

  • Manoel Lino de Carvalho Netto Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás/GO.
  • Lorranne Gomes Siva Universidade Estadual de Goiás (UEG), Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás / GO
  • Amanda Alves Borges Universidade de São Paulo,
  • Joannes Souza Medrado Universidade Estadual de Goiás (UEG), Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás / GO

Resumo

Dados do IBGE (2020) informam que o povo Karajá soma aproximadamente 4326 indígenas e vivem em cerca de 29 aldeias espalhadas ao longo do vale do rio Araguaia e afluentes. O objetivo da presente investigação foi identificar as contribuições da Escola Indígena Maurehi para o fortalecimento sociocultural do povo Karajá que vive no Estado de Goiás, cidade de Aruanã. Quais são os desafios para uma Educação Escolar Indígena no Brasil no Século XXI? foi uma das questões basilares. Os procedimentos metodológicos se compuseram de levantamento bibliográfico, trabalho de campo, rodas de conversas com a comunidade escolar e entrevistas. Constatou-se que a Escola Indígena Maurehi é um grande avanço para o povo Karajá, portanto, como a educação brasileira e tantas outras escolas nesse país, enfrentam desafios que vão desde investimentos básicos para o funcionamento adequado até autonomia na gestão do modelo de educação e da escola. Ausência de investimentos e políticas públicas eficientes para a escola Maurehi afasta os indígenas para escolas fora da aldeia onde tem melhores estruturas. É necessário e urgente que o Estado ofereça condições das teorias se concretizarem na prática, já que isso é direito desse povo. Palavras-chave: Educação Escolar Indígena. Povo Karajá. Fortalecimento Sociocultural. Impactos do turismo. 

Referências

.
Publicado
2021-09-15
Seção
Artigos