MOÇAMBIQUE SOB A MIRA DOS IMPÉRIOS: O PROSAVANA E A QUESTÃO DA TERRA

  • Eguimar Felício Chaveiro Professor Titular dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Estudos Socioambientais (IESA), da Universidade Federal de Goiás (UFG). eguimar@hotmail.com
  • Ernesto Jorge Macaringue Doutor em Geografia. Professor na Universidade Eduardo Mondlane (UEM), Moçambique
  • Helsio Amiro Montany A. de Azevedo Doutor em Geografia. Professor na Universidade Eduardo Mondlane (UEM), Moçambique

Resumo

A interpretação territorial do espaço agrário moçambicano supõe reconhecer as forças que o
dominam, a dimensão histórica do país e o modo pelo qual a geopolítica da produção e dos negócios de
alimentos, na escala mundial, se efetivam atualmente. Cabe reconhecer que os acordos e os programas,
como o ProSAVANA, desenvolvido pelo pacto entre Brasil e Moçambique com mediação do Japão, é
uma forma de instituir a modernização predatória das terras e dos modos de vida campesinos de
Moçambique. Por meio de missões científicas, trabalhos de campo, tanto no Brasil quanto em
Moçambique; organização de seminários e colóquios, estágios e orientações de pesquisas, e
especialmente, mediante o projeto de pesquisa “Sementes crioulas, quintais agroecológicos e cooperação
popular: troca de saberes e experiências de economia criativa do Cerrado brasileiro as savanas em
Inhambane/Moçambique”, nos foi possível edificar uma leitura territorial da situação da terra em
Moçambique ao sabor das imposições econômicas e geopolíticas dos impérios agroalimentares dos países
ricos.
Palavras-chave: produção de alimentos; modernização predatória; geopolítica; interpretação territorial

Referências

.
Publicado
2020-10-06
Seção
Artigos