FERROVIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE PIRES DO RIO: APOGEU, CRISE E ESTAGNAÇÃO

  • Fábio Macedo Tristão Barbosa Universidade Estadual de Goiás, Campus Pires do Rio
  • Ana Paula Rezende Universidade Estadual de Goiás- Unidade Universitária de Pires do Rio

Resumo

Este artigo tem como objetivo central analisar o papel da ferrovia no desenvolvimento econômico da cidade de Pires do Rio, observando momentos distintos desse processo: apogeu, a crise, a estagnação e os sinais de novos tempos que se anunciavam. Para tal, faz-se necessário a reconstituição histórica da cidade de Pires do Rio (GO), erigida inicialmente sob a égide do capital ferroviário que se deu com a chegada da Estada de Ferro Goiás nos primeiros anos da década de 1920. Para tanto, são evidenciadas as mudanças no espaço, e seus reflexos nas esferas econômicas, sociais e políticas do município, desde o momento de sua fundação, até a gradativa estagnação da economia ferroviária, resultado da retração econômica, fato relacionado a crise geral do transporte ferroviário no Brasil, que a partir dos anos 1950, mas, sobretudo no governo de Juscelino Kubistchek (1955-1960) que atendendo aos interesses do monopólio das indústrias automobilísticas que redefinem as políticas públicas de transportes, primando pelo rodoviarismo em detrimento das ferrovias. O estudo de cunho histórico levanos a reflexão acerca da rapidez com que o auge do fluxo capitalista ferroviário passa por Pires do Rio, deixando a cidade piresina em um período obscuro.
Palavras-chave: Ferrovia; Economia; Desenvolvimento; Pires do Rio.

Biografia do Autor

Ana Paula Rezende, Universidade Estadual de Goiás- Unidade Universitária de Pires do Rio

.

Referências

.
Publicado
2020-05-23
Seção
Artigos