Normatizar e higienizar: o saber médico contra o ofício das amas de leite

Standardizing and sanitizing: medical knowledge against the craft of wet-nurses

Resumo

Este artigo pretende abordar a maternidade escrava em uma perspectiva interseccional, utilizando como fontes de análise os anúncios de venda, aluguel e procura de amas de leite nos jornais correio paulistano (1870-1879) e jornal do commercio (1850-1859), assim como as produções discursivas de médicos-higienistas, que tinham como preocupação higienizar os corpos e a moral de mulheres-mães. Para a análise dos discursos médicos que se posicionavam contrários ao aleitamento dito “mercenário”, utilizamos teses de doutoramento produzidas pelos autores Xavier (1833), Milward (1873) e silva (1884).

Palavras-chave: maternidade escrava. Interseccional. Amas de leite. Higiene.

Biografia do Autor

Nubia Sotini dos Santos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). Bolsista CAPES. Integrante do grupo de estudos História, Mulheres e Feminismo (HIMUFE). 

Publicado
2022-03-14
Como Citar
Santos, N. (2022). Normatizar e higienizar: o saber médico contra o ofício das amas de leite. Revista De História Da UEG, 11(01), e112211. https://doi.org/10.31668/revistaueg.v11i01.12258