DOS LIMITES DA HISTORIOGRAFIA MODERNA À ABERTURA DE NOVOS HORIZONTES: TEMPO HISTÓRICO, LINGUAGEM E ÉTICA A PARTIR DE BERBER BEVERNAGE E HANS ULRICH GUMBRECHT

  • André da Silva Ramos UFOP

Resumo

Neste artigo analiso como Berber Bevernage e Hans Ulrich Gumbrecht articulam suas proposições no âmbito da teoria da história para favorecem a emergência de experiências historiográficas que tensionem com os pressupostos normativos da compreensão de tempo histórico moderno. Confrontando a perspectiva de que a distância histórica possibilita a emergência do discurso objetivo do historiador e as implicações éticas de um entendimento de tempo histórico baseado na sucessão e linearidade progressiva, os autores apresentam formas de se relacionar com o passado que levam em consideração o seu assombramento ou a sua presença. Desse modo, o artigo aborda como a particularidade de suas reações à historiografia moderna são respostas à necessidade de reconfigurações da historiografia contemporânea no que tange ao seu comprometimento ético no experienciar e apresentar histórias.

Publicado
2020-07-09