PERCEPÇÃO DOS CUIDADORES SOBRE A TELERREABILITAÇÃO DA FISIOTERAPIA EM BEBÊS DE RISCO ATÉ OS TRÊS ANOS DE IDADE: BARREIRAS E FACILITADORES

  • Bruna Dal Castel Biondo Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil
  • Laís Rodrigues Gerzson Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai
  • Carla Skilhan de Almeida Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil
Palavras-chave: Telerreabilitação, Percepção, cuidadores, Grupos de Risco, Recém-Nascido.

Resumo

Objetivo: Verificar as percepções dos cuidadores sobre o atendimento remoto da fisioterapia em bebês considerados de risco entre zero e três anos, e compreender quais foram as barreiras e os facilitadores vivenciados durante esse tipo de atendimento. Materiais e Métodos: Pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso institucional. Resultados: Foram entrevistados oito cuidadores. Os bebês tinham de oito meses de idade corrigida (IC) até dois anos e onze meses. Na soma do questionário econômico obteve-se as seguintes classificações: B1, B2, C1 e C2. Em relação ao grau de escolaridade da pessoa que mais contribui com a renda da casa, uma completou o ensino fundamental, três o ensino médio e quatro o ensino superior. No AHEMD-IS apenas um lar foi classificado como excelente, apresentando ampla quantidade de variedade e oportunidades. Percepções: privilegiados, satisfeitos e agradecidos mesmo com dificuldades, falta de conhecimento e limitações. Aumento da conexão pai-filho e mais tempo com a criança, possibilitando conhecê-la melhor. Barreiras: falta de equipamentos/acessórios, o ambiente não estava preparado, falta de colaboração da criança e conexão com a internet. Facilitadores: suporte contínuo dos profissionais, flexibilidade de horários, adaptação ao ambiente da família, não precisar se locomover e a comodidade de estar em casa. Conclusão: A telerreabilitação deve ser pensada como uma opção viável pós pandemia para garantir o cuidado ou a sequência dele para os pacientes, pois apresentou facilidades para os profissionais e cuidadores e, foi capaz de incluir as famílias na intervenção, permitindo a participação deles no tratamento de seus filhos.

Publicado
2022-09-08
Como Citar
Biondo, B., Gerzson, L., & de Almeida, C. (2022). PERCEPÇÃO DOS CUIDADORES SOBRE A TELERREABILITAÇÃO DA FISIOTERAPIA EM BEBÊS DE RISCO ATÉ OS TRÊS ANOS DE IDADE: BARREIRAS E FACILITADORES. Movimenta (ISSN 1984-4298), 15(2), e2022023. https://doi.org/10.31668/movimenta.v15i2.13026
Seção
Artigo Original