Uma casa de osso e palavras: Nael e a arquitetura de uma metáfora em Dois irmãos, de Milton Hatoum

  • Felipe Camargo Mello UNESP - Universidade Estadual Paulista

Resumo

Este artigo propõe-se a discutir o modo como o romance Dois irmãos, de Milton Hatoum, promove uma representação do espaço narrativo da casa libanesa como uma metáfora na narrativa, projetando seus significados não apenas no processo de falência e derrocada da família, mas também da mediação entre o público do privado, o que significa dizer que desempenha a mediação entre o individual e o coletivo, especialmente no que tange a experiência subjetiva ligada à vivência nesses espaços. Para pensar esse aspecto do romance, problematiza-se a relação entre espacialidade e experiência subjetiva, uma vez que a casa liga-se a um núcleo identitário mais amplo. Diante disso, faz-se essencial uma abordagem que considere a criação de sentidos desses ambientes e como eles se atrelam às suas personagens e considerar Nael não apenas o narrador, mas um arquiteto que reconstrói a casa de Zana por uma divisão entre a sua pré-história, os relatos que apreendeu das conversas com Halim e Domigas, e a sua história, as próprias memórias de vivências dentro do seio familiar.   

Publicado
2020-06-17
Seção
Artigos