Do professor de língua inglesa escola sem partido: as consequências dessa proposta para a prática pedagógica

AS CONSEQUÊNCIAS DESSA PROPOSTA PARA A PRÁTICA PEDAGÓGICA

  • Valdilene Elisa da Silva UEG
  • Eduwesley Pereira da Silva

Resumo

Neste artigo, o objetivo principal é apresentar um diálogo entre as propostas gerais do Projeto   de  Lei (PL)  nº   193/2016 (Escola  sem  Partido)1    e  as  práticas  pedagógicas  dos professores  de  língua  inglesa  no  contexto  do  século  XXI,  ou  seja,  analisar  de  que maneira o projeto pode refletir nas práticas de suas aulas. É sabido por todos que a escola vem passando, nas últimas quatro décadas, por mudanças potenciais e positivas em vários aspectos. O que se observa é que o modelo educacional tecnicista já não mais se sustenta, é  preciso  reelaborar  as  políticas  e  abordagens  educacionais,  bem  como dialogar  com  as  imprecisões  da  realidade  complexa  e  caótica  do  mundo  real.  Como orientação metodológica, o estudo se situa em uma abordagem analítica de cunho documental, visto que ela permite a investigação de dados obtida a partir de documentos de uma dada época. O trabalho se apoia nas visões teórico-metodológicas de Fernandes (2008), Bakhtin (2011), Freire (1987) e outros. A proposta foi explicativa e teve como objeto o cartaz do Projeto de Lei Escola Sem Partido. As análises mostraram que o PL em tramitação   se   revela   problemático   e   limitador   para   os   avanços educacionais da contemporaneidade. Várias ações de professores de língua inglesa serão concretamente afetadas pelas ideologias do projeto.  Por fim, é importante ressaltar o caráter reflexivo e não conclusivo deste trabalho, pois a perspectiva que trazemos aqui serve de possibilidade para impulsionar futuras pesquisas e atitudes diante daqueles que dedicam e preocupam com a formação docente no contexto da atualidade.

 

Palavras-chave: Escola sem partido. Professor-pesquisador. Pós-modernidade.

Publicado
2021-10-08
Seção
Artigos