Estudo de Variação Diagnóstica e Terapêutica para Acidente Vascular Cerebral Isquêmico no Serviço de Urgência.

  • Jaqueline Correia Pontes Universidade do Estado do Pará
Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral Isquêmico, Diagnóstico, Tratamento, Prática baseada em evidências

Resumo

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é reconhecido por suas manifestações clínicas, visto que são peculiares e apresentam-se de forma repentina como uma disfunção neurológica causada pelo bloqueio na passagem de sangue e nutrientes para o cérebro. Os AVCs acometem anualmente 17 milhões de pessoas no mundo, destes 6,5 milhões morrem, além dos que vivem com incapacidade permanente, sendo a maioria de origem isquêmica. É considerado um grande problema de saúde pública e seu diagnóstico e tratamento são determinantes para aumentar as chances de um bom prognóstico. O objetivo deste estudo foi determinar se existe variação na conduta diagnóstica e terapêutica do AVC isquêmico (AVCi) entre os médicos plantonistas do Hospital Regional de Conceição do Araguaia (HRCA) e entre estes e as evidências clínicas mais recentes para diagnóstico e tratamento de AVCi frente a dois casos clínicos. O presente estudo foi autorizado pelo HRCA e aprovado pelo Comitê de ética em Pesquisa Tapajós. As evidências científicas foram oriundas de diretrizes nacionais e internacionais localizadas através da busca nas bases de dados PUBMED, LILACS, EMBASE e COCHRANE LIBRARY. Após a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) pelos médicos plantonistas a pesquisa se desenvolveu por meio da aplicação de um questionário com dois casos clínicos hipotéticos que foram distribuídos aos profissionais médicos do setor de urgência e emergência. A variação na conduta diagnóstica e terapêutica foi identificada entre os profissionais e houve discordância da conduta destes com as diretrizes. Não indicar condutas recomendadas, e indicar condutas contraindicadas, pode representar risco á saúde e gastos desnecessários. A educação continuada deve ser incentivada para que a prática clínica seja baseada nas evidências científicas mais recentes. Como forma de contribuir para o diagnóstico e tratamento dos AVCi do serviço de urgência e emergência do hospital, as diretrizes guidelines for the Early Management of patientes With Acute Ischemic Stroke, guideline for acute ischemic stroke treatment - Part I, 2012 e guideline da AHA/ASA: Guidelines for acute ischemic stroke treatment – Part II: Stroke Treatment, 2012 foram disponibilizadas.

Biografia do Autor

Jaqueline Correia Pontes, Universidade do Estado do Pará
Enfermeira, Pós graduanda em UTI pela PUC-GO

Referências

BRUNNER, Lillian Sholtis; SUDDARTH, Doris Smith; SMELTZER, Suzanne O´Connell (Ed.). et al.Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. Tradução Antônio Fancisco Dieb Paulo, José Eduardo Ferreira de Figueiredo, Patrícia Lydie Voeux.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Percepção do Estado de Saúde, estilo de vida e Doenças Crônicas. Rio de Janeiro, RJ – Brasil, 2014. ISBN 978-85-240-4334-5.

MALCHER, S. A. O. et. al. Estudo clínico-epidemiológico de pacientes com acidente vascular encefálico de um hospital público. Belém – PA, 2008.

______. Ministério da Saúde. Portaria nº 664 de 12 de abril de 2012. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2012. ISSN 1677-7042.

BOTELHO et. al. Epidemiologia do acidente vascular cerebral no Brasil. Temas em Saúde. João Pessoa – PB, v. 16, n. 2, 2016. ISSN 2447-2131.

ALMEIDA, S. R. M. Análise epidemiológica do Acidente Vascular Cerebral no Brasil. Revista de Neurociências. Campinas-SP, v. 20, n. 4, 2p, 2012.

MOREIRA, Karlo Edson Carneiro Santana. Estudo de variação terapêutica para acidente vascular cerebral isquêmico. São Paulo, 2003.

GUSMÃO, C. C., GUTIERREZ, E. G. Estudo de variação terapêutica para acidente vascular cerebral isquêmico nas urgências de serviços de saúde em Belém – Estudo transversal. Belém – PA, 2015.

SCHEFFER, M. et al. Demografia Médica no Brasil 2015. Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina da USP. Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Conselho Federal de Medicina. São Paulo: 2015, 284 páginas. ISBN: 978-85-89656-22-1.

CARRERA, R. M. et. al. Associação entre participação e cumprimento de um programa de educação médica continuada e produção assistencial dos médicos: estudo transversal. Hospital Albert Einstein. São Paulo – SP, v. 13, n. 1, p. 1-6, 2015.

JAUCH, E. C. et. al. Guidelines for the early management of patientes with acute ischemic stroke: A guideline for healthcare professionals from the american heart association/America stroke association. Stroke, v. 44, n. 3, p. 870-947, 2013.

OLIVEIRA-FILHO, J. et. al. Guidelines for acute ischemic stroke treatment – part I. Arquivos de Neuropsquiatria, Salvador – BA, v. 70. n. 8. p. 621-629, 2012.

GOYAL, N. et. al. Cost Burden of stroke mimics and transient ischemic attack after intravenous tissue plasminogen activador treatment. Journal of strok and cerebrovascular diseases, 2015.

COMMITTEE E. S. O., COMMITTEE E. W. Guidelines for management of is ischaemic stroke and tansient ischaemic attack 2008. Cerebrovascular Diseases, v. 25, n. 5, 2008.

MARTINS, S. C. O. et. al. Guidelines for acute ischemic stroke treatment: part II: stroke treatment. Arquivos de Neuropsiquiatria, v. 70, n. 11, p. 8885-93, 2012.

_____. Ministério da Saúde. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Relação nacional de medicamentos essenciais: Rename 2010. 7ed, Brasília, DF, 2010. 250 p. ISBN 978-85-334-1670-3.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Diretrizes brasileiras de antiagregantes plaquetários e anticoagulantes em cardiologia. Rio de Janeiro, v. 101, n. 3, 2013.

BRYER, A. et. al. Shouth African guideline for management of ischaemic stroke and transient ischaemic attack 2012: A guideline from the Shouth African stroke society (SASS) and the SASS Writing Committee. S Afr Med J, v. 100, n. 11, Pt 2, p. 74778, 2010.

LECINAÑA, A. et. al. Guía para El tratamiento Del infartocerebral agudo. España, v. 29. P. 101-122. 2014. ISSN 2173-5808.

SHINOHARA, Y. et. al. Cerebral infarction/transient ischemic attack (TIA). Journal of stroke and Cerebrovascular Diseases, v. 20, n. 4, p. S31-S73, 2011.

POTTER J, et al. Controlling Hypertension and Hypotension Immediately Post Stroke (CHHIPS) – a randomised controlled trial. Health Technol Assess. Southampton. Prepress Projects Ltd, 2009. ISSN 1366-5278.

ROLIM, C. L. R. C, MARTINS, M. O uso de tomografia computadorizada nas internações por Acidente Vascular Cerebral no Sistema Único de Saúde no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. São Paulo, 2012.

Publicado
2017-10-12
Seção
Ciências da Saúde