AGRICULTURA ORGÂNICA E A MICROBIOTA DO SOLO

Cultivo orgânico e microorganismos

  • Talles Eduardo Borges dos Santos
  • Ane Gabriele Vaz Souza
  • Kamila Dias da Silva
  • Lorena Luisa Bueno

Resumo

Com o aumento da conscientização ambiental e maior busca por alimentos mais saudáveis sem risco de contaminação por agrotóxicos, o mercado de produtos orgânicos tem experimentado uma grande expansão entre os anos de 2010 e 2019. A agricultura orgânica tem como base prática a rotação de culturas, o controle biológico de pragas e doenças e o uso de adubos de origem animal (esterco) ou vegetal (adubos verdes) não permitindo o uso de defensivos agrícolas e fertilizantes minerais de alta solubilidade. Diante dessas características, os sistemas orgânicos impactam diretamente a biomassa microbiana do solo (BMS). Portanto, o presente trabalho tem por finalidade demonstrar o efeito da agricultura orgânica do sob a ótica da microbiológica do solo. De maneira geral, a maioria dos trabalhos científicos relatam que solos sob cultivo orgânico apresentam valores de carbono e nitrogênio da biomassa microbiana (CBM e NBM), atividade microbiana e enzimática superiores aos solos sob cultivo convencional. Isso se deve ao fato de que no cultivo orgânico ocorrem maiores adições de resíduos que funcionam como substrato e fonte de energia para os microorganismos. Para os fungos micorrízicos arbusculares (FMAs) a adição de resíduos orgânicos pode incrementar a diversidade e sua atividade melhorando a estrutura do solo, ciclagem de nutrientes com baixa mobilidade bem como diminuir a incidência de doenças.

Biografia do Autor

Talles Eduardo Borges dos Santos

Engenheiro Agrônomo pela Universidade Estadual Pauista (Unesp)

Mestre: Agronomia, área de concentração: Solos pela Universidade Estadual Pauista (Unesp)

Doutor: Agronomia, área de concentração: Solos pela Universidade Estadual Pauista (Unesp)

Doutorando em  Investigación agraria y forestal na Universidad de La Coruña - Espanha

 

 

 

Publicado
2020-03-09