AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA, DISPNEIA E QUALIDADE DE VIDA NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

  • Daniella Alves Vento Universidade Estadual de Goiás
  • Camila Matos Lisboa Universidade Estadual de Goiás
  • Cleivannylson da Silva Araújo
  • Valtenir Waitte Santos Machado Universidade Estadual de Goiás
  • Letícia Araújo de Morais Universidade Estadual de Goiás
Palavras-chave: DPOC, Qualidade de vida, Dispneia, Atividade física

Resumo

Introdução:A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) se define como uma obstrução crônica do fluxo aéreo. Objetivo:Avaliar o nível de atividade física, qualidade de vida, dispneia e o grau de obstrução em pacientes portadores de DPOC.Métodos:A pesquisa tem caráter observacional, descritiva e prospectiva. Foram avaliados portadores de DPOC. Coletaram-se dados antropométricos, clínicos e aplicou-se o instrumento de avaliação de dispneia do Medical Research Council (MRC), Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) e o questionário de qualidade de vida Saint George’s Respiratory Questionnaire (SGRQ). Resultados:  Foram avaliados 60 participantes, destes, 55%(33) eram do sexo masculino e 45% (27) do feminino com média de idade de 69,1±9,67 anos, de altura de 1,63±0,09cm e de peso corporal de 67,01±16,56kg. Em relação ao estágio da doença, 13,3% (8) apresentavam-se no estágio 1, 35%(21) estágio 2, 31,6%(19) estágio 3 e 20%(4) estágio 4. Eram sedentários 81,6%(49) e apenas 18,3%(11) ativos. No grau de dispneia dado pelo MRC, 16,6%(10) apresentavam grau I, 16,6%(10) grau II, 35%(21) grau III, 23,3%(14) grau IV e 8%(5) grau V. Em relação à qualidade de vida avaliada pelo SGRQ observa-se uma redução importante em todos os domínios. Os escores encontrados para o domínio sintoma foram 45,56±25,64, para a atividade 64,50±23,33, para o impacto psicossocial 45,02±23,04, e o geral 51,01±23,25.

 Conclusão:Foi possível observar que a maioria dos pacientes portadores de DPOC avaliados estão no estágio II da doença, são sedentários, possuem grau importante de dispneia e uma qualidade de vida ruim.

Publicado
2019-03-04
Seção
Artigo Original